Resenhas

Earl Sweatshirt – Feet Of Clay

Registro atravessa o lado mais sombrio do processo de tornar-se adulto ao passo que revela um artista cada vez mais seguro de sua visão de mundo

168 total views, 5 views today

Ano: 2019
Selo: Tan Cressida – Warner
# Faixas: 7
Estilos: Rap Alternativo, Lo-Fi Hip Hop
Duração: 15'
Produção: Earl Sweatshirt, Alchemist, ovrkast

“Uma coleção de observações e sentimentos registrados durante a agonia da morte de um império em ruínas”. Foi assim que Earl Sweatshirt definiu Feet Of Clay (2019), EP lançado de surpresa na última semana. O sucessor do excelente Some Rap Songs (2018) já expressa angústia e incerteza em seu título: Feet Of Clay (“Pés de Barro”) se refere a uma passagem do Livro de Daniel, presente no velho testamento da Bíblia, que fala de um ídolo cujo corpo, feito de metal, é fragilmente sustentado por pés de barro. E o rimador mais prendado do Odd Future, da mesma forma que em Some Rap Songs, continua prestes a desmoronar, mas segue atirando. 

Com cinco delas tendo menos de 2 minutos de duração, o projeto conta com sete faixas nas quais Earl explora o luto pela morte do pai, a depressão, o alcoolismo, as aflições da vida adulta e a inadequação aos padrões da indústria. As produções se baseiam em samples distorcidos picotados de forma quase arbitrária e as escolhas não privilegiam o “punch” ou uma linha de percussão poderosa e dançante. É tentador chamar esse disco de experimental, mas não é como se Earl se esforçasse para reunir diferentes camadas, tentando soar complexo ou “avant-garde”. A aventura é estranha, sem dúvidas, mas é singela, intencionalmente rudimentar e baseada em poucos elementos sonoros. 

Ainda que sempre tenha passado longe das tendências atuais do Hip Hop na hora de produzir um beat para soltar suas rimas, Earl, em Feet Of Clay, parece mais descolado do que nunca de qualquer padrão. “EAST”, primeiro single divulgado do EP, traz um provável acordeom em loop – sem qualquer bateria – que parece saído de um desenho antigo da Disney ou dos estúdios Hanna-Barbera. A faixa até virou meme pelo Twitter, com gente dizendo que os fãs do Earl estavam se forçando a gostar daquilo. Mas, apesar do tom cartunesco de fato deixar a canção um pouco repetitiva, ela exemplifica uma característica marcante de Earl: ele, com o perdão do anglicismo, é um mood. 

Earl não é exatamente o tipo de rapper que você coloca misturado a uma playlist com outros rappers dessa geração e deixa o shuffle fazer a parte dele. É bem mais aconselhável e proveitoso reservar um Momento Earl para seu dia, sua semana, seu mês. E o próprio parece notar essa marca atmosférica tão única, tanto que vem lançando trabalhos cada vez mais curtos, feitos para ouvir em um tiro só. Feet Of Clay também funciona nesses moldes e, no meio do caminho, como esperado, o que não faltam são versos em alto nível, com as aliterações e jogos de palavras que tornaram Earl admirado por gente como Kendrick Lamar. 

A melancolia, apesar da base irônica, é expressa na própria “EAST”, na qual ele canta” “The wind whispered to me ‘Ain’t it hard?’ / I wait to be the light shimmering from a star /Cognitive dissonance shining and the necessary venom restored” (“O vento sussurra para mim ‘Não é difícil?’ /Eu espero ser a luz cintilante de uma estrela/Dissonância cognitiva brilhando e o veneno necessário restaurado”). Dissonância cognitiva é um termo cunhado pelo psicólogo americano Leon Festinger nos anos 1950, que basicamente indica a ruptura entre a cognição e a moral prática – ou entre “crença” e realidade –, por conta de fatores externos ao indivíduo. O exemplo mais clássico e ilustrativo é o da raposa que quer comer uvas, mas ao perceber-se incapaz de alcançá-las, assume que as frutas estão podres e que, na realidade, desde o princípio não queria comê-las. No caso de Earl, considerando o verso sobre o veneno restaurado que vem a seguir, fica a sensação de que ele está disposto, caso necessário, a abraçar o cinismo e manipular a realidade que o encara a seu benefício. Por isso, fugas como álcool e maconha acabam entrando no pacote também. 

Em “TISK TISK/CORPSE”, o talento de sempre para rimas internas e aliterações se sobressai mais uma vez em versos soturnos, como “Inner remorse/ divorce your spirit and corpse” (“Remorso interior/divorcie seu espírito e seu cadáver”). Mas, nesse caso, o verso soa como um conselho de que, para escapar da culpa e do remorso, é necessário elevar-se para além do plano terreno. Missão que tem sido difícil aos 25 anos, como ele demonstra em “MTOMB”, um belo Boom Bap que sampleia “Theme (For the People) (Opening)”, do grupo de Soul setentista Mtume: “Guess I was right, twenty-five was a quarter to life” (“Acho que eu estava certo, 25 foi um quarto da vida”). A tradução é insuficiente para captar o peso do verso, por conta do uso um vocabulário específico do mundo jurídico dos Estados Unidos. “Twenty five to life” é um termo que se refere a um réu que foi sentenciado a no mínimo 25 anos de prisão e no máximo ao resto da vida – e ao adicionar o “um quarto”, Earl, além de associar sua vida a uma prisão, lamenta que 25 anos já tenham ficado para trás.

Antes de Some Rap Songs, Earl não soltava um disco cheio desde I Don’t Like Shit I Don’t Go Outside, de 2015. O EP recém-lançado quebra os pequenos sumiços do rapper e chega menos de um ano depois, e, pelas letras, fica evidente a atual urgência em desaguar sentimentos que rondam sua mente genial e atormentada. Menos coeso e “mais difícil” do que o antecessor, Feet Of Clay, entretanto, mostra que a caneta segue afiada e que as produções continuam priorizando uma assinatura única, em detrimento do som do mercado. E deixa ainda mais claro que os dias de pateta-caçula do Odd Future estão bem distantes. O talentoso garoto que, logo aos 16 anos, já mostrou um futuro brilhante como MC parece cada vez mais angustiado e, à sua maneira, faz ecoar a voz de muitos jovens de sua geração que hoje chegam à vida adulta. Torcemos para que Earl escape desses dias sombrios, mas que continue entregando essa visão tão única e especial sobre tristezas e sobre todo o resto. 

(Feet Of Clay em uma música: “MTOMB”)

169 total views, 6 views today