Resenhas

Sleigh Bells – Texis

Em uma espécie de monotonia acelerada, quinto álbum da dupla do Brooklyn é mais forte em faixas separadas do que em seu conjunto

 351 total views

Ano: 2021
Selo: Mom+Pop
# Faixas: 11
Estilos: Noise Pop
Duração: 35'

A monotonia em ritmo acelerado: basta o play na primeira faixa para entender completamente o que Sleigh Bells propõe em Texis, seu quinto álbum. Seguindo à risca sua proposta de combinar os elementos do Noise que causam estranhamento com o aspecto palatável da música Pop, o duo entrega uma obra bem-feitinha, mas não tão envolvente em seu conjunto.

Essa mescla quase dicotômica é mesmo de um equilíbrio difícil de ser atingido, e o produtor e guitarrista Derek Miller e a vocalista Alexis Krauss merecem os devidos elogios já pela ambição, e mais ainda por tantas conquistas, de público e de crítica, nesses 13 anos de banda. E se sua experiência dentro desse conceito permite que a dupla faça boas músicas, o mesmo não acontece necessariamente na hora de montar um álbum.

Todas as 11 faixas de Texis são semelhantes demais, no alcance harmônico ou nos maneirismos de sua proposta – desenvolvimento crescente, guitarra explosiva, batidas frenéticas –, ao ponto de que pouco se justifica a audição do disco como uma obra completa. Pior que isso, a experiência de escutá-lo do início ao fim não possibilita que cada faixa tenha sua identidade própria devidamente reconhecida (por culpa do fator Pop) e faz com que o que fique em primeiro plano na memória seja o incômodo sonoro (causado pelo Noise).

A vivência é outra, contudo, ao se ouvir algumas de suas músicas individualmente. Elas nascem, crescem e não morrem na praia, uma atrás da outra, na tentativa incessante de dialogar com o que Sleigh Bells propõe em seu som. São faixas que funcionarão bem em trilhas sonoras e licenciamentos, devido à sua qualidade, mas que resultam em excesso atrás de excesso quando amontoadas em um só álbum.

(Texis em uma faixa: “Justine Go Genesis”)

 

 352 total views

ARTISTA: Sleigh Bells

Autor:

Comunicador, arteiro, crítico e cafeínado.