Resenhas

Best Coast – The Only Place

O segundo disco do duo californiano segue para praias mais Pop com seu misto Surf Pop e Indie Rock, além de perder aquela estética Lo-Fi que os consagrou em 2010

 2,292 total views

Ano: 2012
Selo: Mexican Summer
# Faixas: 11
Estilos: Indie rock e Surf pop
Duração: 34:20
Nota: 3.0
Produção: Jon Brion
Livraria Cultura: 29944518

Mais uma vez, a receita do Best Coast é juntar temática de amores que não deram certo, um pouco de melancolia, algumas letras confessionais e, pronto, já temos um disco da dupla. A “mudança” na sonoridade veio pela melhor produção e por aquele toque Lo-Fi que víamos no primeiro disco ser chutado para escanteio. Tudo o mais está no seu devido lugar: Bethany Cosentino continua com suas lamúrias de amor, Bobb Bruno com as mesmas melodias Pop e aquela vibe praiana continua intacta.

Essa escolha pela mudança não é novidade pra ninguém – várias outras bandas que tinham essa estética caseira em seus segundos discos resolveram melhorar um pouquinho a produção (o melhor exemplo disso é Days do Real Estate), isso já foi deixado claro com o primeiro single de The Only Place. A música que leva o mesmo nome do álbum (e que, não por acaso, abre o disco) já traz essa estética limpinha e sem a poeira sonora que havia no primeiro registro da dupla, Crazy For You (2010).

Talvez como forma de buscar novo público ou somente uma como evolução natural da banda, este disco consegue soar mais Pop e ainda mais pegajoso que seu antecessor, passando por alguns exageros em certos momentos. Num tom de auto-piedade, ou de certa forma auto-ajuda, Better Girl é um desses exageros do disco. Muitas das músicas seguem o clima de baladinha calma e amena de Do You Still Love Me Like You Used To, que nos deixa com aquela impressão de ser uma música que muda de andamento algumas vezes, mas cai na monotonia.

Os destaques positivos ficam por conta do primeiro single The Only Place, My Life (que tem lindos versos recheados de sinceridade e que ficam lindos cantados por Consentino) e Let’s Go Home (que parece recuperar a vibe do primeiro disco e dá uma acelerada no fim desta obra).

O álbum passa por vários momentos de mesmice criando uma sensação de estar na mesma faixa por longos minutos e essa repetição e seus exageros o deixam pouco cansativo. Quanto a ser assumidamente Pop, já vimos que ele soa basicamente como Crazy for You, só que mais limpinho. Portanto, se você gostou do primeiro disco, não tem nenhum motivo pra reclamar deste.

 2,293 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Wavves, Real Estate
ARTISTA: Best Coast

Autor:

Apaixonado por música e entusiasta no mundo dos podcasts