Resenhas

Constantina – Mexido

Álbum audiovisual conversa com ouvinte através de distintas maneiras

 2,287 total views

Ano: 2016
Selo: Independente
# Faixas: 7
Estilos: Post-Rock, Eletrônico
Duração: 42:00
Nota: 3.5
Produção: Jovem Palerosi, Chris Scullion, M. Takara, Tchilli Rodriguez, Andre Thitcho, M UT, Constantina

Existe uma certa plasticidade em bandas instrumentais que só pode ser explicada pelo seu componente imagético. Ouvir sons que não são necessariamente canções nos proporcionam viagens infinitas e nos levam, muitas vezes, a criar mentalmente imagens próprias. Ao longo de sua discografia, a mineira Constantina sempre nos deixou contemplativos e absortos em suas inspiradas “trilhas sonoras”. Agora, o processo se inverte e o grupo lança junto de seu oitavo disco uma série de filmes como acompanhamento, transformando-se em uma obra puramente audiovisual.

O video acima serve como o escapismo de 42 minutos necessário ao seu dia. Paisagens distintas: projeções sob pessoas, sorrisos em trem alheios e colagens marinhas estão entre as diversas escolhas estéticas para as canções que nascem no trabalho. Um fã mais atento às canções percebe que seus nomes não são novidades. Tal fato acontece pois Constantina resolveu construir novas formas musicais de canções já lançadas pelo grupo através de colaborações de nomes como Jovem Palerosi e M. Takara. Novos campos são criados e, por fim, temos sensação de que estamos diante de faixas completamente novas.

Entre os melhores momentos, temos o remix de Palerosi para Pequeno Monte Mágico e Ele Já Atravessou Todos os Oceanos do Mundo de Takara. Em cada caso, trechos sampleados dão espaço para reintrepretações sensitivas que, quando unidas aos seus correspondentes visuais, acabam por trazer uma carga emocional profunda. Aliás, a obra, quando vista em seu formato audiovisual, torna-se quase uma instalação cinematográfica e acaba por trazer diversas sensações à tona, como a paz em Azul Marinho e a saudade em Pequenas Embarcações. Tais momentos capturam a organicidade dos mineiros e acabam por torná-la ainda mais expansível.

Curiosamente, o disco como um todo nos força a fechar os olhos em diversos momentos, justamente por trazer sensações relaxantes a tona. Trazem por fim os eternos estímulos de Constantina. Logo, a obra consegue conversar sozinha e faz sentido sem seu acompanhamento audiovisual. Se Mexido pode ser um sinônimo para o seu formato colaborativo e remixado, não poderia se escolher outra palavra para definir um disco que mexe tanto com os sentimentos alheios.

(Mexido em uma música: Azul Marinho)

 2,288 total views

BOM PARA QUEM OUVE: Nuven, ruido/mm, Hurtmold
ARTISTA: Constantina

Autor:

Economista musical, viciado em games, filmes, astrofísica e arte em geral.